… Só reescrevendo o que já sabemos…

“… Well all I know is that fear has got to go
This time around…”

Sei que até ontem sentia que tudo que eu fazia era um tanto cheio de vazio, e foi assim por uns bons e nada belos meses, certo?

Chorei, gritei, quis matar, quis morrer (no sentido figurado, antes que me achem uma depressiva com tendências suicidas… haha).

Com uma ‘quase’ certeza absurdamente forte, eu acho que isso passou.

Consigo encarar a minha cruel realidade, que não é diferente de qualquer realidade de qualquer outra pessoa. Na verdade, eu sou bem feliz, pesando, sem drama, na balança da vida…

Quem nunca errou, se apaixonou, se machucou, voltou atrás, fez merda, se arrependeu, viu que era tarde demais… Quem nesse mundo cheio de linhas tortas e com pouca luz, nunca errou?

Ser tarde demais não quer dizer que seja completamente irreversível, só em alguns casos, mas para tudo ‘dá-se um jeito’. Senão as relações, ou o tempo que ficou para trás, talvez seja ‘recuperável’ o autocontrole, o equilíbrio emocional… Isso dentro da gente, e que se abala com uma facilidade absurda.

E abalada como estava, eu consegui cometer quase todos os erros humanamente possíveis. Comigo e com quem eu gostava… “que vergonha, Yê”…

Bom, sou tão humana quanto gostaria de ser… Ué. Admito, eu sou extremamente dramática – o que é um perigo com as facilidades de difusão que a internet me proporciona, e adooooro expor meus spasmos emocionais, SIM, essa sou eu, e tem quem goste de mim assim… Aliás, ultimamente, vou dizer que não dou a mínima para quem não gosta.

E daí, que o dia hoje foi estranho, na verdade os últimos dias tem testado toda a minha ‘força interior’ sem querer… Não lembro de nenhuma semana que não houvesse teste, fortes emoções e motivos para dizer “EU DESISTO”… Nem uma semana de sossego para a minha cabeça.

Ainda bem que eu sou muito mais ‘forte’ do que eu mesma acho que consigo ser… E não desisto com facilidade.
A vida tá aí, sobrevive quem pode, vive de verdade quem tem coragem, né?

E mesmo com todas as coisas, que se eu listar eu fico mais umas quatro horas digitando, veio a tão esperada luz no fim do túnel. Ela já estava lá, mas eu não estava tão a fim de olhar, sabe…

Agradecida, por cada coisinha idiota que aconteceu dentre os dias de muito frio, garoa, sem sol… As tantas mãos que me seguraram e me deram VÁRIOS tapas para eu acordar… E pelo bom e velho desconhecido que é sempre importante, aos novos planos e velhos sonhos…

Agradecida pelos bons amigos… Agradecida… MESMO!

Daqui pra frente é só alegria… (Salvo dias de TPM, porque eu sou mulher… Né?)

=)

Anúncios

… se a gente não sabe…

Inventa.

O que as músicas poderiam dizer por mim, elas já dizem.


… e sobre o que dizem ser verdade…

… É verdade que o melhor mentiroso é aquele que consegue mentir para si mesmo a ponto de enganar o outros.

A verdade?

É que sou uma péssima mentirosa.


… Domingos e domingos…

Depois de sextas e sábados… Domingos…

Músicas felizes, companhias felizes, pensamentos felizes.

Gostaria muito de encontrar uma fada da Terra-do-Nunca para me dar pózinho dourado, eu conseguiria voar, facilmente.

Isso, nos ultimos dias, estava ‘sendo’ impossível. Mundo caindo no meio de um buraco escuro cheio de nada… Terrível, nem sei como tudo passou.

Mais uma coisa que só o tempo consegue explicar, mesmo não querendo questionar. Afinal, demorou muito mesmo para as coisas começarem a melhorar.

Ter orgulho de mim mesma, hoje, é o mínimo… E só eu sei que não foi fácil. Mas ao mesmo tempo foi.
Confuso, né?

Sim, sou eu, sempre assim, sempre mudando de humor, de pensamento, de vontade.

“Eterno vir a ser”… e continue assim…

Ou não.

Não sei…

Só tenho uma certeza, no momento, estou muito bem, obrigada.

Quero continuar assim, e se for preciso mais alguns esforços e alguns cortes nos desgastes emocionais, não terei medo em fazer esses cortes.

Penso depois nas consequências.

Cansei de ser sempre a que chora no final do dia… (metaforicamente, porque chorar mesmo, eu nunca consigo… Só por dentro, o que é pior… BEM PIOR).

Quero motivos pra sorrir, só isso, mesmo que rasos, mesmo que superficiais, mesmo que sejam coisas de ‘cinco minutos’.

Pensar às vezes atrapalha.

Enfim, linha de raciocínio perdida… Já é segunda, e já faz um tempinho.

Boa noite… =)


… conversas na janela.

Sobre algum corpo externo e estranho:

"Ah, ele é um babaca, é mto fácil fazer
uma pessoa se apaixonar,
dificil é estar sempre com
essa pessoa e ela se manter apaixonada...
Porque, se apaixonar por uma
idéia do que vc gostaria de ter,
é diferente de ter e não ser
exatamente o que vc esperava...
 O que provavelmente é o caso desse
e de tantos outros que não conseguem 'se prender'...
Isso, por não serem tão interessantes
a longo prazo, e terem bastante consciência disso.
E isso, é meu caso tbm... HUAHAUAHua

... falo por ser assim tb..."

[...] Sobre saudosismo e carência: 

... "não acredito nesse tipo de sentimento,
enquanto nao me livro MESMO da ideia, melhor me manter longe.
HOJE eu consigo ver alguns casos antigos,
sem cair em nenhuma tentação..."

Sobre algum outro caso qualquer e a volta dos que nunca foram... 

"... mas no caso dele, eu acho que
é mais questão de ego...
Ele criou a necessidade de se provar bom o suficiente para isso...
O ÚNICO problema é que ele não contava com a minha astúcia,
e o meu orgulho... 

Logo, se eu estiver carente,
eu agarro o mendigo do lado,
mas nem encosto nele..."

Por fim... Como se antes não fosse assim, sobre mim:

"Não sinto nada, não gosto de niguem, e sou mais feliz assim.

... Vou escrever isso que eu escrevi no meu blog...
Achei uma boa análise do meu momento, preciso registrar."

E as janelas hoje em dia são tão modernas, né? 

Boa quinta-feira...

… só acredito no que eu mesma invento.

E quem vai dizer que estou mentindo para mim mesma?


… e sobre o desapego

Não se apegue ao material
Tão pouco ao sentimental
Não se apegue ao tamanho do cabelo
À imagem frente ao espelho

Não se apegue ao dinheiro
Não se apegue pelo cheiro
Não se prenda pelo abraço
Não se prenda por nenhum laço

Se prenda apenas ao momento
Ao curto instante do beijo
Do toque, do olhar, do desejo
Do que passa com o tempo

Do que não exige, não cobra nada em troca
Do que é temporário, do que vai e não volta
Do que não prende
Não faz sentir, não mente.

Se apegue ao que não é palpável
Se apegue ao que vem de dentro
Ao que não é amável
Não se apegue ao que vai como o vento

Não se apegue à época
À roupa velha
Ao sapato largo
Ao passo que já foi dado.

As coisas mudam e as pessoas também
Sentimentos fortes enfraquecem
Quem te fazia feliz, vai te fazer chorar
E te fazer entender que é importante continuar

Tentando não se apegar
Tentando não sentir
E tropeçando nessas tentativas de mudar
Os cursos do caminho que a gente mesmo escolheu seguir

No começo ou no fim, não se apegue à sorte,
E não se faça de forte
Não se apegue ao que cedo ou tarde
Do seu inteiro vai ser só uma parte…

(… Não sei se continuar é uma opção. Mas a gente sempre tenta fazer tudo menos doloroso, seja à base da distância, seja à base de distração…)