#pensamentosolto #jáperdiaconta

Sobre a diferença entre estar e ser sozinho…

Hoje, a diferença entre eu, que estou sozinha, e os que estão acompanhados se sentido sozinhos não existe. Me sinto só e, de fato, estou. E quem não está também se sente só…

Não que resolva, mas, em um momento de egoísmo (meu), conforta um pouco.

Eu bem sei que a sensação passa e a companhia sempre chega.
Espero.

(8) you live. You learn.


Hoje eu acordei com vontade de te ver…

Já faz tanto tempo, que até assusta.
Me assusta não saber nada de você
e não ter com quem falar de mim. 

 

Esses dias perguntaram sobre o processo de composição de músicas. Algo que sempre me encantou, já que em uma música há muito investimento de tempo, memórias e sentimento – as minhas sempre tiveram. 

Expliquei o processo como quem sabe como é, apesar de não saber muito bem, porque é natural. Tão natural que não acontece há tempos.

Tão natural que precisa ter motivo, assim como tempo, histórias e sentimento, para acontecer.

Tão natural que, ultimamente, tenho me forçado a procurar motivo para ter o que escrever, tenho até inventado motivos. Mas sei bem que quando não há nada, não há nada.

E sobre o nada é muito mais complicado escrever.

E aí, em alguns momentos a gente se pega resgatando o passado, mas o passado traz de volta muita coisa que, vez ou outra, é melhor deixar lá atrás mesmo. É bem verdade que, quando a gente rebusca, a gente sente saudade.

Eu sinto, não nego, mas não vale a música.

 

Ah, querido “eventual”.
Eventual, porque não é diário.
Se voltasse a ser diário não seria legal.
Ainda não é, de fato.


Nothing to do.

Nothing to lose

Tem dia que você só quer desligar.
#off

What day is it
And in what month?
This clock never seemed so alive


Let me the firt, baby, to say…

I’m sorry


Is Mercury in retrograde

Or is that the excuse that I’ve always made

‘Cause I wanna blame someone else

But I can only blame myself

I always do. 

Mas, sabe…

Às vezes – e não têm sido poucas -, pedir que te desculpem é necessário, pra não dizer “o mínimo”.

Isso não vai mudar o fato de que você errou, muito menos significa que você nunca mais vai errar de novo.

Somos todos humanos.

Erramos.

Cabe a cada um se dar ao trabalho de aprender e evitar novos erros. E tenho pra mim que repetir um erro bobo é pior do que cometer um novo. O erro, seja ele bobo ou não, vai ficando mais grave a medida que se repete. E os pedidos de desculpa vão perdendo cada vez mais a “validade”.

Sei bem.

I look in the mirror and it tells me truth, yeah

Why all these lessons always learned the hard way

Is it too late to change?