Nada é ainda pior

Gostaria de entender tudo
Mas tudo é demais pra assimilar
No final do dia, o mundo continua mudo
E sem ninguém pra te escutar

E apesar da dimensão do mundo
A gente sempre acaba no mesmo lugar
Se fingindo de surdo
No mesmo balcão de bar

Não que essa ideia seja triste
No geral me ajuda a ter paz
E não que eu esqueça que você existe
Mas hoje, pra mim, tanto faz.

E no fundo, o “tanto faz”
Nao faz eu me sentir melhor
O tudo que eu não quero mais
Transformado em nada é ainda pior

(8) it ain’t yours to throw away

Anúncios

Silêncio

Não precisa dizer.
É a estampa da sua cara, a sua alma.
Deixe alguém perceber
O que você não fala.

Não precisa chorar
Vão arder só em você
Lagrimas que a sua manga vai secar
Sem deixar ninguém ver

Não precisa correr
A energia gasta em vão
Não significa agir ou viver
Não demonstra na sua vida movimentação

Não precisa esperar
Porque as coisas acontecerão
Quando for a hora
Estando você pronto ou não

E não que seja verdade
Mas faz sentido
Mesmo que eu não fale
Ou nunca tenha vivido


Nunca mais

Mudei o curso dos meus caminhos
Pra não cruzarem com os seus
Passei a evitar amigos
Que por sua causa se tornaram meus

Fechei os olhos para não ter
que te ver passar
Tapei ouvidos pra não escutar
Nenhuma música que me fizesse lembrar

De você.
Porque dói.
E por mais que eu evite e tente esquecer

Não é tão fácil assim
Já fiz mais pra isso acontecer
Do que um dia você fez por mim.

E não que eu vá te odiar
Mas isso já serve pra não te amar

Nunca mais.


Não pretendo estar aqui…

 

Quando você lembrar…

Quando você voltar…

Quando você chegar.

 

Não pretendo estar aqui…

E nem testemunhar

O que te fez sorrir…

Ou quem te fez sonhar.

 

Não pretendo estar aqui…

ou mesmo ouvir falar

De como está feliz…

De quando esteve lá.

 

Não pretendo parar e esperar

Como tenho feito,

tenho deixado estar…

Mesmo que já sem efeito.

 

 

Não pretendo procurar

ou achar defeito.

Nem tentar consertar

O que não tem mais jeito.

 

Não pretendo falar

nem escrever.

Nem recordar.

Nem reviver.

 

Não pretendo…

mas entre a intenção e a ação

existe algum tempo…

Pra fazer entender a cabeça e o coração.

 


2010

Honestamente, gostaria de saber
onde está… Onde foi parar?
essa parte que nem se fez pertencer…
Mas que falta para me completar

E agora para onde vou olhar,
Detalhes me levam daqui
E esses sons? Palavras para me calar
Que de repente esperava ouvir

Me neguei participar
Aceitar, não é como quero ficar
O momento nunca vai parar
esperando o “resolver mudar”

E ninguém sabe, ninguém vê
Ninguem quer se fazer entender
Até mesmo meu pseudo ser
Foge daqui para se entreter

Com os livros, filmes e canções
que diziam algo sobre a felicidade
Sobre o amor e suas condições
escondendo a real dificuldade

Vou fechar os olhos e me deixar
Que o sono me ajude a não pensar
Não vou parar para perguntar
Sobre o que eles não querer falar

O cansaço continua a consumir
A fechar as portas do que me faz sentir
Do que me faz procurar, questionar
Sobre essa bagunça em mim que não faz cessar

Já fechei meus olhos, me deixei
O sono acompanha o sonho que não quero ter
E as respostas que eu mais errei
Pela grande vontade de querer saber

E seguindo sem reta,
sem tom, sem tempo, sempre assim,
Sem rima, sem métrica,
sou a partitura sem fim…


Passando a limpo…

… Querido diário…

Querido…

Diário…

Diário?

De todo ‘santo’ dia… de rotineiro… cotidiano conturbado?

Dos dias como esse, seja chuvoso… ensolarado?

Dos dias vividos, sonhados, pensados ou mal dormidos…

Dos dias que passaram e dos que estão por vir…

Do cappuccino, do cinema, do Doritos e do chocolate branco…

Das lágrimas sem motivos… das alterações hormonais…

Dias de momentos consigo mesmo… das lembranças… dos desapegos…

Das irrelevâncias substancialmente relevantes que funcionam como um despertar de coisas que estão adormecidas, e disfarçadamente esquecidas…

Daquele “dia qualquer”…

Dos dias que todo mundo tem…

… UM DIA!?

 

(janeiro/2010)

 

♪ On top of the world


Mas talvez você não entenda

…  essa coisa de fazer o mundo acreditar… 

 

Desde que eu saiba que é temporário,

é seguro estar aqui.

 

Desde que eu saiba pra onde voltar

é seguro partir.

 

Mas há neblina em todo lugar

e não há para onde ir.

Como é que se pode andar

Se dá medo de cair.